Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

jornada23

jornada23

De volta a realidade!

Voltei a realidade! Tive umas duas semanas assim um pouco dolorosas, com muita birra a mistura...(quem me conhece sabe que não gosto nadinha dessas coisinhas de criança !) . Voltamos para Portugal e, eu e o príncipe pensamos que íamos aproveitar uns ricos 10 dias só de praia e calor. 

Pois bem que o tempo português também nos quis pregar uma partida...começou com o vento ao final da tarde (altura em que conseguíamos ir a praia por causa das mil coisas que andávamos a tratar), e chegou a estar um tempo nublado bem ranhoso. Os nossos corpos também nos atraiçoaram 3 dias antes de irmos embora, entre vómitos e diarreia, a coisa não esteve muito bonita!

Tirando isso, e porque o isso já foi muito, foi tempo para aproveitar as nossas praias, a família sempre presente e os amigos que estão longe mas rapidamente ficam perto. Tempo para mudanças e tempo para nos, enquanto casal, dar-mos um passo em frente, uma nova responsabilidade na vida! 

Mais umas ferias passaram e vejo-me aqui, sentada na minha cama depois de uma molha apanhada de regresso a casa, a perguntar-me porque raios ainda vivo neste pais em que o verão dura dois dias.???!! 

 

Os outros e o meu amanhã

A viagem está marcada, em Janeiro partimos. Ano Novo Vida Nova como se diz!

 

Nestes últimos dias e, aproveitando o facto da enorme família agora ter motivos para estar mais vezes reunida, aproveito para falar sobre a nossa jornada para Londres (não vão as pessoas mais suscetíveis dizer que eu vou-me embora sem avisar com antecedência!).

Conclusão desta experiência? De enlouquecer!

Já tive a opinião de toda a gente, até hoje contei com cinco tipos de pessoas.

 

1. A pessoa que diz que é o melhor que tens a fazer porque neste país não há oportunidades e lista inúmeros motivos para te ires embora;

 

2. A pessoa que diz que não deves “abandonar” o país onde nasceste, foste criada e onde tens a tua família porque não há nada mais valioso do que o local onde estão as tuas “raízes”;

 

3. A pessoa que começa a contar as más experiências de outras pessoas que conheciam outras pessoas amigas de outras (e outras, e outras...), que saíram do país e que, em menos de um mês estavam de volta, que iam parar à rua com filhos para cuidar, que chegaram lá e viveram um inferno autêntico;

 

4. A pessoa que conta a maravilha de vida que uma amiga, amiga da amiga do amigo, colega, prima, tia, está a ter lá fora;

 

5. A pessoa tranquila, que dá a sua opinião em segundos, dá os parabéns pela mudança, por estares bem, perguntam quando partes e ficam felizes por ti.

 

Pois bem, tem sido tarefa complicada gerir certas personagens. Aprendi a ouvi-las, nunca se sabe até que ponto elas possam ter razão (umas mais que outras, admito) e no fim simplesmente sorrio e digo “Vai correr tudo bem”. E vai! Acredito que sim !!{#emotions_dlg.happy}