Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

jornada23

jornada23

Onde ando eu

Quando estou a trabalhar volto a casa estafada e não me apetece fazer nada, quando estou de folga a rotina de dona de casa ocupa-me cada minuto. Ufa, preciso de ar fresco.

A minha segunda vez

A polícia e eu temos tido uma relação bonita nestas férias. Ontem, pela segunda vez desde que tirei a carta, fui mandada parar pelos meus amigos. Vá lá que só embirraram com o selo do carro que estava desatualizado mas felizmente tinha o novo na caderneta dos documentos do carro. Foi respirar fundo e seguir em frente.

A minha primeira vez

Hoje foi a minha primeira vez.

Hoje, foi a primeira vez que buzinei e reclamei com um polícia. Serei maluca? Não, simplesmente não reparei que eram dois polícias que estavam dentro do carro.

Pois bem que as novas regras da rotunda até me entraram pelo cérebro adentro de forma muito rápida, não me faz confusão nenhuma. Entrei eu na rotunda e quando vou para a minha saída já está o carro que estava atrás de mim do meu lado, ora não vou de modos, começo a buzinar, meto-me ao lado do condutor e começo a fazer-lhe gestos com a mão para o "ensinar" a fazer uma rotunda de jeito. Depois desse meu espectáculo o príncipe olha para mim e diz: Sabias que eram dois polícias num carro civil, certo?. Não, não sabia. Também não me fizeram nada mas seguiram-me o caminho todo e no final ainda me ultrapassaram a pisar risco contínuo (ADORO!).

 

 

 

 

Tosquia

Hoje foi dia de tosquia. A melhor amiga diz que não parece curto, o meu pai diz que não cortei nada mas só eu sei o quanto encolhe o meu cabelo depois de encaracolado e não esticado. Até tenho medo, esticado antes dava-me quase pelo rabo e agora fica um pouco acima do soutien , isso não é considerado um corte radical? Para mim é 😀 Ah, agradecimento à cabeleireira que me fez questão de mencionar que aquilo que fiz ( incluindo sobrancelhas e buço ) custaria 20€, mas como sou filha dela estou a salvo destes valores.

Cão que não é cão, é família

Quem me conhece sabe que eu tenho um amor de perdição pelo meu cão: um caniche anão raçado com maltês de 16 anos e meio..Sim 16 anos e meio. Da última vez que o vi foi em setembro e é assustador ver como ele piorou em poucos meses. Fica imenso tempo parado a "olhar" para as paredes e depois insiste em bater contra elas, já não consegue controlar o xixi nem o coco, está sempre a cair , praticamente cego e deve estar com graves problemas de memória visto que parece andar sempre perdido e confuso. Fiquei a observá-lo por longos minutos e agora vim para a cama, é inevitável eu não chorar, ele é família.

Quem é vivo sempre aparece

20160130_174421.jpg

 

Este meu amigo já fez parte do meu agregado familiar mas, passado um tempo fartei-me de estar sempre a costurar os buracos dele. Quanto mais cosia pior. Ganhei coragem e deixei-o em cima do caixote do lixo da rua. Ontem, passados para aí uns 5 meses volto a vê-lo num caixote de umas casas mais abaixo. Deu vontade de levar de volta para casa, mas é melhor não porque já me cansei de brincar de costureira.